quarta-feira, 13 de maio de 2009

As namoradas do meu passado





Minha primeira namorada, aos 5 anos de idade foi a Xuxa, mas com o tempo percebi que não dava pra disputar com personalidades como Senna, Pelé, Evandro Mesquita... Eu era só uma criança e aprendi que existem mulheres e entre algumas delas, existe a televisão! Então mudei de canal. Resolvi namorar a Angélica, sem o consentimento dos seus pais, afinal, ela morava no Clube da Criança e era deste planeta, já que não chegava no seu programa num disco-voador e não havia nenhum problema como praga, dengue ou sarampo entre os participantes do programa. Não sei porquê não deu certo. Acho que foi durante o período que as estações se confundiram e eu conheci a Vovó Mafalda, uma mulher mais experiente, mais vivida, tipicamente do interior, que morava numa fazenda e trabalhava ao lado de um palhaço. Aí eu já estava mais ou menos com uns 7 para oito anos. Ela me ensinou a viver, ensinou a soltar pipa, a trepar em árvore e a chupar jabuticaba. Mas quando ela me mandava crescer, eu achava que ela precisava de alguém que trabalhasse e sustentasse ela e aquela galinha que morava com ela, então, mandei ela ir atrás daquele palhaço.

Foi quando apareceu a mulher que além de paradgimas, quebrou uma gangorra: Mara Maravilha. Em meio a litros de água oxigenada eis que surge uma morena, com uma inteligência “mara” e ameaçando um triângulo amoroso no meu pequeno coração. Mas não vingou também. Acho que tinha uma queda por loiras quando era criança.

 

Nesse meio tempo vieram o Topo Giggio e o Fofão. Porra...depois de tanto mulherio como vou me entreter com um rato e uma mistura do Chucky, o boneco assassino com o Quico do Chaves? Eu queria as paquitas, com um pompom tampando as minissaias. Ter inveja das crianças que tomavam café da manhã com a Xuxa e quando participavam de uma brincadeira mandavam um beijo “pra minha mãe, pro meu pai e pra você”, e ganhavam um beijo da Xuxa com marquinha no rosto. Tudo estava perdido...


Então surge uma nova loira, a Eliana, revolucionária e educativa, todas as manhãs mostrava em cadeia nacional que sabia muito bem como usar os dedinhos! Sem contar na ginástica da “minhoquinha”. Ela deixou muito moleque tentado a fazer uma “ginastiquinha” com a “minhoquinha” na frente da telinha. Só não conseguiam porque depois que ela acabava com a dança dos dedinhos, a minhoca dos meninos não flexionava mais. Não cheguei a namorar com ela, porquê já estava estudando e começando a me preocupar com mulheres de verdade e da minha idade, principalmente dizendo que gostaria de beija-las peladas na cama, do mesmo jeito que eu já tinha visto na TV. Se eles mostram, é pra ensinar! Mas ela não durou muito tempo e logo foi substituída. 


E quem se lembra da Priscila? Apresentadora da TV Colosso. Nosso modelo de apresentadora infantil nada mais era do que uma cachorra... Por favor... Isso é doentio. Ainda bem que naquela época não existia a música “só as cachorras...as preparadas”, imagina que depressivo seria, você estudando pra prova de OSPB, Estudos Sociais ou matérias que nem existem mais e seu cachorro se aliviando numa almofada e vendo uma cachorra de pelúcia rebolando na TV.

 

A partir daí, as mulheres da TV passaram a perder a graça porquê a Xuxa alugou a barriga, teve uma geração independente, deixou as mães de todos os seus pequenos namorados de vinte anos atrás de cabelos em pé e foi chamada de praga pra baixo. Hoje tem um nome, vendeu seu disco voador pra pagar a rescisão de contrato da Marlene Matos e tem um programinha meia-boca. Mas ainda faz programas, isso é o importante. Angélica acabou aterrisando no mesmo planeta que a Xuxa morou a vida toda e mostrou que era uma alienígena infiltrada só interessada em selecionar pequenos machos e treina-los para andar de táxi e olhar para as coxas de outras mulheres atrás de uma pinta grande e característica. Muitos devem ter encontrado outras coisas, menos uma pinta. Um desses meteu o nariz (avantajado) onde não foi chamado e acabou casando por ali mesmo.

A Vovó Mafalda pra mim é um enigma. Dizem que ela era o palhaço, dizem que ela morreu. Dizem que ela nem existiu de verdade.

A Mara Maravilha, que de maravilha não tem mais nada migrou e virou cantora evangélica. E a Eliana pula daqui, pula dali, requebra de lá, tem um domingo de variedades pra evitar o ócio, e mostrou durante estes anos seu lado empreendedor, namorando, casando e separando de grandes figurões do universo corporativo nacional, mostrando que tem seu valor e merece ser avaliada como diamante lapidado após tantos anos. Vez ou outra ainda mostra que não perdeu o jeito com os dedinhos.

E eu, depois de tudo isso, resolvi partir pras mulheres de verdade que essas é que me fizeram feliz e mostraram a vida como ela é! Porquê mulher e namorada de mentira é como ler a revista Veja da semana: você sabe que já a notícia é velha, mas lê achando que é novidade.

Daqui a uns dias eu publico a continuação: A Vida Real...antes eu tenho que pegar autorização com a patroa!

Abraços

aureliomasr

4 comentários:

Carlos Frederico Bastarz disse...

Fala sério! O cara teve uma infância ativa. Ou será que suas atitudes estavam competindo com seus pensamentos? Ou será que suas vontades estavam competindos com seus deveres? Ou será que a puberdade estava competindo com a liberdade? Ou será @!#@%#$, ah, quer saber, chega!

Eu também assistia a Vovó Mafalda e o Fofão cara-de-saco e não achava nada estranho!

Hehehe, curti a criatividade do seu post!

Abraço!

Carlos.

Rodrigo Fonseca disse...

whatafuck!?!?
qndo li o titulo achei que vc ia falar da Jessica! (espero que isso nao te complique) eheheheheh
abraço!

aureliomasr disse...

Cara não complica...e pior que era pra ser essas histórias mesmo, mas acabou saindo essa misturada!

Thalita disse...

Como assim vc "namorou" a Vovó Mafalda!? Exímio escritor hein?? Ia falar merda agora, mas depois conto pra vcs (Vc e a Nat) pessoalmente.. rsrsrrs
Fikei curiosa p ver a Versão Vida Real...
T+++