sábado, 23 de outubro de 2010

Dm - ou Ré Menor

É incrível o que uma simples nota no violão pode reavivar. Coisa que eu raramente faço é tocar "Another Brick In The Wall (Part 2)" do Pink Floyd no violão sendo que ela tem entre suas notas, o Dm. Sucedeu que enquanto eu brincava com o Dm lembrei de uma música lá de 2001, uma das inúmeras que escrevi com o Carlos. Talvez fosse nossa "In-A-Gadda-Da-Vida", ou nossa "Echoes".

É "A Luta da Honra Contra o Tempo". Só com voz, violão e baixo, ela tinha lá seus 12 minutos. Uma música que nunca sentiu uma distorção ou uma virada de bateria, como várias que compusemos naquele tempo permanecem imaculadas. Eu tenho um carinho especial com essa música, primeiro por ter "roubado" a letra do Carlos e alterado um pouco. Ainda tenho os rascunhos em alguma pasta aqui... Os versos que diziam "Por quê esperar se você não chega" eu mudei para "Por quê esperar se tudo não chega?". O que era basicamente uma argumentação com uma pitada de amor e perda virou um questionamento global sobre as pessoas e suas atitudes em geral. A Luta da Honra Contra o Tempo é algo que fazemos todos os dias. É decidir quando devemos abrir mão de certos valores que temos enraizados em nossas almas em favor de oportunidades únicas, de escolhas que não poderão ser feitas em outra oportunidade. Talvez não nessa vida. E talvez nessa vida todas as linhas do planeta, todos os limites impostos a nós, cidadãos do mundo, por governos, por dogmas, por conceitos estereotipados sejam realmente as regras que coordenam nossa vida e nos afastam de lutar por aquilo que realmente desejamos. Seja uma mudança de vida ou um amor escondido. Talvez numa outra ocasião essa utopia seja real.

O refrão talvez transmita uma mensagem já batida entre tantas palavras já ditas e transmitidas por aí, mas, liricamente e melodicamente, a forma como eu e o Carlos as colocamos ate hoje me dá medo e causa arrepios.
"Quando vamos entender que esperar não faz crescer? / Só faz envelhecer." E pra mim o melhor dessa música é justamente algo que remete ao post anterior, sobre meu tipo preferido de música, que começa melancólica, mas traz em si uma esperança, um crescendo que aquece nossos corações. E ela termina bruscamente. 

Assim como nós esperamos que seja nossa passagem. Assim como quando atingimos o nirvana espiritual. Em certos momentos, como esse, gosto de usar a palavra redenção. E talvez seja essa a mensagem que A Luta da Honra Contra o Tempo tem pra nos ensinar. 

E sim, essa é a mensagem que eu quero dividir com vocês. A vida é curta demais pra ser vivida dentro de limites que não fazem bem à nossa alma. Não adianta aplicar jargões como "qualidade de vida" ou "administração de tempo" quando não temos tempo para pensar em tomar as decisões que realmente gostaríamos de tomar para mudar nossa vida, e em consequência, uma milionésima fração do mundo.

Um abraço a todos.
aureliomasr

5 comentários:

Cleyton Marx disse...

O Tempo que o tempo tem...
bons, mals, novos, velhos...

craftmind disse...

boa cara, esses dias eu tentei tocar ela com um arranjo diferente, mas mantendo a mesma base melódica. ficou legal, mas como vc mesmo disse, essa é uma das nossas inúmeras músicas imaculadas que nuunca sentiram uma virada de bateria. mas também, com a mensagem que a gente colocou nela, dá arrepios só de tocar no violão! quando tiver com alguma coisa mais sonora, eu coloco no site pra gente (re)curtir! valeu pelo post, bo referência essa de 2001!

Rodrigo Fonseca disse...

pow, faltou a letra dela ai no post!

Leticia disse...

faltou a letra da musik ai no post! ²

Marco Aurélio [Locomotiva Produções] disse...

Nem...dps de encher linguiça da musica, acha q eu vou dar ela assim pra essa internet sem respeito a direitos autorais? Inclusive pra músicas registradas...imagina essa que nem registrada foi!!!